sexta-feira, 5 de junho de 2015

OS 21 MELHORES FILMES DO MUNDO – Parte 1


Fazer listas é um trabalho ingrato, visto que invariavelmente incompleto, em especial quando se trata de listas sobre uma das coisas que mais se ama. Apesar disso, é um trabalho muito prazeroso e divertido, já que, justamente por ser sempre incompleto, não precisamos dedicar muita seriedade a ele ou nos preocupar demasiadamente com os resultados. A única regra é a diversão e o compartilhamento de experiências e preferências.

Falando sério, você realmente acha que é possível estabelecer “OS X MELHORES FILMES DE TODOS OS TEMPOS”? Você pode tentar escolher os cem (ou os mil!) melhores filmes, pode refinar sua lista com critérios muito rigorosos (como, por exemplo, fazendo-a com base nos filmes mais influentes, mais inovadores, mais polêmicos ou mais chocantes), mas nela sempre faltará uma quantidade absurda de títulos muito melhores do que aqueles que foram escolhidos e haverá algumas escolhas das quais você se arrependerá depois. Isso porque, seja lá qual for o critério estabelecido, ele terá como princípio-base o gosto pessoal, o qual muda constantemente e está sujeito, a toda hora, a variações de humor, a tendências de momento e ao alcance da memória da pessoa que está fazendo a lista. Além disso, por mais que você seja um cinéfilo-monomaníaco-obsessivo-compulsivo, você nunca assistiu nem a um décimo de todos os longas-metragens, documentários, curtas-metragens e animações que existem por aí.

Tendo isso em mente, fiz a seguinte lista, despretensiosa ao extremo, com os 21 filmes que considero os melhores de todos os tempos. Não escolhi os filmes mais importantes na história cinematográfica nem os mais influentes; não me prendi aos clássicos e nem aos cults ou undergrounds; não busquei apenas diretores consagrados, mas também não quis dar uma de esquisitão que só gosta de filmes estranhos e desconhecidos. Simplesmente fui me lembrando dos filmes que mais me agradaram (por qualquer motivo, ou mesmo por motivo nenhum) e, da enorme lista inicial, selecionei os 21 mais interessantes.

Apesar de eu não ter estabelecido critérios rígidos de escolha, é inegável que me baseei muito na originalidade dos filmes, na força artística e autoral que eles têm, na diversão que causam, na perfeição técnica e, em menor grau, nas questões que abordam e nos significados que representam tanto na cultura mundial quanto em minha própria vida.

Enfim, segue a lista, em ordem alfabética segundo os títulos nacionais:

01  A Carruagem Fantasma (Körkarlen, 1921)
Único filme mudo e em preto-e-branco, anterior à década de 30, que realmente me cativou, como se tivesse sido feito ontem. Influência para diretores da envergadura de Ingmar Bergman, Stanley Kubrick e Quentin Tarantino, esse filme é uma das primeiras obras-primas do cinema e, até hoje, um dos melhores filmes de terror que existem. A famosa cena de O Iluminado em que Jack Torrance quebra a porta com um machado é uma homenagem explícita ao extraordinário A Carruagem Fantasma.


02  A Montanha Sagrada (The Holy Mountain, 1973)
Possivelmente o melhor filme do Jodorowsky, ao lado de Santa Sangre e El Topo (ainda não consegui ver A Dança da Realidade), A Montanha Sagrada é mais do que um filme – é uma verdadeira jornada espiritual. Cheio de símbolos e surrealismo, esse é, sem dúvidas, um dos filmes mais importantes da minha vida.

03  A Pele que Habito (La Piel que Habito, 2011)
O primeiro contato que tive com a obra de Pedro Almodóvar foi com esse inesquecível e perturbador A Pele que Habito, um filme com história e estética impecáveis, sofisticadas e com um toque autoral muito singular.

04  Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, 2013)
Intraduzível em palavras. Um belo e original convite à introspecção. Amantes Eternos traz mais questões existenciais do que caberiam nesta página, em uma melancolia agradável e sem pessimismo. Com seu ritmo lento, o filme proporciona sensações raras e refinadas. Um filme perfeito.

05  Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance), 2014)
Até pouco tempo atrás, eu ficava imaginando como seria vivenciar o surgimento de um verdadeiro clássico: sentar na poltrona do cinema e, sem saber, assistir a um filme verdadeiramente inovador e extraordinariamente bom, antes de todo mundo, sem que gerações e gerações tenham discutido sobre o filme antes de mim e criado toda uma aura sagrada em torno da obra. Com Birdman, eu descobri qual é sensação.

06  Desafio do Além (The Haunting, 1963)
Um filme que, sem uma gota de sangue e praticamente sem sustos explícitos, consegue dar mais medo do que quase todos os outros filmes de terror? Definitivamente, Desafio do Além merece estar nesta lista.

07  Era Uma Vez na América (Once Upon a Time in America, 1984)
Você já viu esse filme? Se sim, não preciso explicar por que ele está nesta lista; se não, separe umas quatro horas para puro prazer cinematográfico e vá assistir. Genialidade sem paralelo.

08  Fitzcarraldo (Idem, 1982)
Clássico que o alemão Werner Herzog filmou na Amazônia peruana com o louco-cara-de-cuco do Klaus Kinki como o visionário (e também um tanto louco) personagem principal. Uma jornada sem precedentes para a realização de um sonho que funciona como uma metáfora sobre o próprio filme. Fitzcarraldo sempre consta em minhas listas de “melhores filmes do mundo”.

09  Fome de Viver (The Hunger, 1983)
O único filme digno de ter “Bela Lugosi’s Dead”, do Bauhaus, na trilha sonora. Já disse o suficiente.

10  Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (Lock, Stock and Two Smocking Barrels, 1998)
É uma vergonha não ter nenhum filme do Tarantino nesta lista, mas Guy Ritchie bebeu na fonte de Pulp Fiction e, com originalidade, um roteiro extremamente criativo e uma montagem fora de série, criou Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes, um dos filmes mais divertidos de que se tem notícia.

11  M – O Vampiro de Dusseldorf (M, 1931)
Sabe todos aqueles incontáveis clichês de filmes de serial killers? M já tinha todos eles em 1931, mas utilizava-os de uma maneira muito mais criativa do que a de praxe (é como se M tivesse sido feito nos dias de hoje para mostrar aos filmes clichês como é que se faz). Com um ritmo absurdamente ágil para a época (é de prender a atenção do começo ao fim até hoje!), efeitos visuais espetaculares, jogos de câmera impressionantes, montagem inovadora, dentre tantas qualidades mais, Fritz Lang fez aquele que eu considero um filme ainda melhor do que Cidadão Kane. Trata-se do filme mais antigo que me fez não perder a atenção em nem um segundo, deixando-me deslumbrado sem nem pausar para tomar água durante as duas horas da trama.

12 – Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, 2015)
Clássico imediato. Obra-prima incontestável. Um milagre cinematográfico. Apoteose dos filmes de ação. Uma sinfonia de destruição. Isso é Mad Max: Estrada da Fúria!

13  Meu Ódio Será Sua Herança (The Wild Bunch, 1969)
Sam Peckinpah mostrando como se faz um faroeste de verdade. (Sou um ávido fã de faroestes, então não conseguiria escolher apenas um para a lista. Há pelo menos mais 20 westerns que mereciam estar aqui, mas escolhi Meu Ódio Será Sua Herança porque, além de ser uma boa mistura entre o estilo americano e o italiano de se fazer faroestes, ele é original, inventivo, violento, memorável e irretocável).

14  O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno, 2006)
Magia, mistério, sonho, fantasia, terror, labirintos, faunos, poesia, imaginação... Meu Deus, Labirinto do Fauno é inacreditável!

15  Oito e Meio (Otto e Mezzo, 1963)
Uma ode surrealista ao cinema e à criação artística. Um dos filmes que mais me deixaram emocionados. Sem palavras para essa perfeição do Fellini. (Amarcord e Noites de Cabíria também mereciam estar aqui, mas, se eu aumentasse ainda mais a lista, ninguém ia ler – a ideia inicial era a lista ser dos 10 melhores filmes, mas eu não consegui reduzi-la a esse ponto).

16 – Phenomena (Idem, 1985)
Assisti a esse filme pela primeira vez com minha mãe (que nem costuma ver filmes). Depois da primeira cena, eu disse para ela que queria lhe falar algo, mas que ia esperar para falar em uma cena mais chata, para não atrapalhar o filme, já que estávamos vendo uma parte extremamente fantástica. Não consegui falar nada para ela antes dos créditos finais, e ela também não disse uma palavra, tamanho o deslumbre causado pelo filme. Phenomena tem um espírito próprio, e é difícil encontrar similares.

17  Prelúdio para Matar (Profondo Rosso, 1975)
Mais um do Dario Argento para a lista. Assim como no caso de Phenomena, não consigo falar sobre esse filme. É perfeição demais. Melhor do que qualquer Hitchcock ou Kubrick (podem me apedrejar, cinéfilos, mas é verdade!).

18  Santa Sangre (Idem, 1989)
Giallo surrealista de Alejandro Jodorowsky. Mais uma obra para a qual nenhuma resenha é suficiente. Poderíamos falar durante mil anos sobre esse filme: nada se compararia a assistir a ele.

19  Sob o Domínio do Medo (Straw Dogs, 1971)
Um dos filmes mais tensos que já vi. Peckinpahzão véio provando que não foi apenas sorte em Meu Ódio Será Sua Herança.

20  Valerie e a Semana das Maravilhas (Valerie a týden divů, 1970)
A imagem do Doninha já é o bastante para colocar esse filme na lista, mas há mais motivos. Muitos, muitos mais. (Leia o comentário a respeito de Santa Sangre novamente).

21  Veludo Azul (Blue Velvet, 1986)
Esta lista seria uma piada sem pelo menos um filme do David Lynch. Não sabia qual escolher dentre os longas dele, então, meio que a esmo, decidi que seria Veludo Azul o sorteado.
--------------------------------------------------------------------------------------------------
Assim que terminei a lista acima, fiquei me perguntando por que eu não acrescentei nela "Josey Wales, o Fora da Lei" e "Mais Forte que a Vingança". Talvez seja porque eu goste do número 21. Mas aquela história de que as listas são sempre incompletas, isso é uma verdade inquestionável. Não é mesmo, Laranja Mecânica?
--------------------------------------------------------------------------------------------------
Atualização: clique aqui para ler a lista com mais 15 dos melhores filmes de todos os tempos.

Atualização 2: clique aqui para ler a lista com mais 18 dos melhores filmes de todos os tempos.

Bônus: os cinco filmes que mais me perturbaram.

8 comentários:

  1. Braindead e Evil Dead tambem concordam que essa lista esta incompleta. E falando em Evil Dead o senhor Melvin poderia fazer, quando tiver um tempinho, uma crítica/resenha sobre o filme, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, boa sugestão, Paulo! Acho que vou pegar para ver a refilmagem que fizeram do Evil Dead e faço uma comparação aqui! O que você acha?

      Excluir
    2. Faça isso, e diga se vale a pena assistir ou nao.

      Excluir
    3. Já ouvi falar muito bem desse "novo" Evil Dead. Parece que ele está mais sério e menos "brincalhão", sem aquele ar meio caricato que tem no segundo. Se isso é bom ou ruim, não sei dizer sem ver o filme, hahahaha.

      Excluir
  2. Será que a mãe do Norman concorda com a lista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que sim, Ela é uma senhora pacífica que não faria a mal nem a uma mosca... Hehehehe :D

      Excluir
  3. Eu acrescentaria ainda o filme "Onde os fracos não tem vez"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza! Como disse no começo do artigo (e brinquei no final, falando do Laranja Mecânica), sempre faltam filmes nas listas. A ideia dessa foi fugir um pouco daquelas listas repetitivas que sempre trazem Cidadão Kane, O Poderoso Chefão, Vertigo e A Regra do Jogo, como se o gosto pelo cinema dependesse de um manual prévio que todo cinéfilo deve seguir a risca.

      Farei um post sobre isso, em breve, com mais umas dicas de filmes :D

      Excluir